Dieta Cetogênica Funciona?

Dieta Cetogênica Funciona?

História e fundamento da dieta cetogênica

Dieta cetogênica assim como o jejum intermitente, não é uma descoberta recente, tão pouco foi criada e fundamentada com objetivo de redução do peso corporal e emagrecimento como comumente é classificada, no entanto, com a procura por dietas estratégicas mirabolantes para perda de peso, acabou ganhando bastante espaço no cenário atual da nutrição.

O começo da dieta cetogênica é datado em meados 1920 quando foi estudada em crianças para verificar sua influência e capacidade de amenização dos efeitos adversos da epilepsia.

Mecanismo de ação

Um estudo realizado em 1921 por um pesquisador Rollin Woodyatt notou que três compostos (Acetonas, Beta Hidroxibutirato e Acetoacetato) conhecidos como corpos cetônicos, eram produzidos pelo fígado em decorrência da falta de carboidratos e consequentemente glicose insuficiente para o funcionamento normal do metabolismo energético.

Basicamente as dietas cetogênicas induzem a uma condição de cetose fisiológica, onde ocorre uma adaptação pela troca do principal combustível do sistema nervoso central que é a glicose por corpos cetônicos.

A dieta cetogênica também é conhecida como “low carb / high fat “, considerando uma dieta de 2000kcal, a redução na ingestão de carboidratos em aproximadamente 10% do valor calórico total ou menos (cerca de 50g), resulta em uma queda drástica das reservas de glicogênio tanto hepático quanto muscular, causando uma crise energética na produção de oxaloacetato (intermediário do Ciclo de Krebs) já que o mesmo é sintetizado a partir de glicose.

Abaixo os possíveis mecanismos que explicam a otimização da queima de gordura da dieta cetogênica segundo PAOLI (2014):

1 –  Redução do apetite devido ao maior efeito da saciedade das proteínas, efeitos sobre os hormônios de controle do apetite e uma possível ação diretamente supressora do apetite dos corpos cetônicos;

2 –  Redução da lipogênese (síntese de gorduras) e aumento da lipólise (quebra de gorduras);

3 – Diminuição do quociente respiratório de repouso resultando em maior eficiência metabólica no consumo de gordura;

4 – Aumento dos custos metabólicos da gliconeogênese e do efeito térmico de digestão das proteínas;

Dieta cetogênica VS Low Carb

Com base nos 4 mecanismos citados acima é possível fazer um paralelo com as dietas low carb, pois independentemente de entrar em cetose ou não, esses mecanismo também fazem parte da fisiologia dos protocolos low carb, com exceção da possível ação supressora dos corpos cetônicos sobre o apetite, no entanto, isso não quer dizer que apenas esse mecanismo seja um diferencial significativo para promover maior perda de gordura.

Dieta cetogênica e performance

A parte de adaptação é a mais complicada, pois uma dieta pobre em carboidratos pode resultar na queda dos níveis de atenção e concentração já que o sistema nervoso central passa a utilizar uma fonte energética alternativa, além disso também pode impactar negativamente na performance esportiva pelos níveis reduzidos de glicogênio (principal combustível energético).

Normalmente após duas semanas os sintomas do período de adaptação diminuem, pelo fato da concentração sanguínea de corpos cetônicos estarem elevados, fazendo com que os transportadores monocarboxilicos (GLUT 2) consigam captar os corpos cetônicos para servirem de combustível para os neurônios que por mecanismos compensatórios conseguem normalizar a crise energética do sistema nervoso central.

Contexto e aplicabilidade da dieta cetogênica

No Brasil é tida como uma dieta inovadora e frequentemente associada a “dietas milagrosas de emagrecimento” levando muitas pessoas a se frustrarem com os resultados. Além disso é um estilo de dieta pouco aceita e de baixa adesão por conta do brasileiro ter o hábito de consumir muitas fontes de carboidrato diariamente (arroz, pães, bolachas e açúcar) aumentando as chances de recaída e compulsão alimentar por privação que são facilitadas pela diminuição da saciedade e aumento do apetite de forma transitória.

De fato alguns atletas, principalmente fisiculturistas costumam utilizar a dieta cetogênica na reta final de suas preparações, no entanto são estratégias pontuais e de curto prazo, sem contar que a maioria não chega nem a entrar em cetose devido ao alto consumo de proteínas, favorecendo os mecanismos de neoglicogênese (sintese de glicose a partir de outros nutrientes) e consequentemente inibindo a produção de corpos cetónicos.

A dieta cetogênica é uma alternativa que possui aplicabilidade em protocolos de emagrecimento, no entanto sua utilização pode ser limitante quando pensada no longo prazo, já que favorece mecanismos de adaptação metabólica, podendo inclusive alterar as taxas metabólicas basais de funcionamento do organismo e favorecer a degradação de massa muscular.

Pontos essenciais de adequação da dieta cetogênica:

Para quem? Como será feito? Qual objetivo? Tratamento da obesidade? Estilo de vida? Melhora da performance? Por quanto tempo? Como será avaliado?

Procure um profissional Nutricionista para te ajudar a responder essas perguntas e escolher a melhor estratégia de acordo com suas características individuais e objetivos.

Gostaram do conteúdo? Compartilhe com seus amigos para fortalecer nosso trabalho.

Ficou com dúvidas? Deixe seu comentário na postagem, seu feedback é muito importante.   

Você também pode assinar nossa Newsletter para receber todas as postagens por e-mail com exclusividade e não perder nenhum conteúdo. Para se cadastrar é muito fácil, basta inserir seu e-mail no rodapé da página principal. 

Muito obrigado e até a próxima postagem! 

Referências bibliográficas

https://www.news-medical.net/health/History-of-the-Ketogenic-Diet.aspx

http://www.sochob.cl/pdf/tratamiento_obesidad/Ketogenic%20Diet%20for%20Obesity-%20Friend%20or%20Foe.pdf

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu